terça-feira, 30 de julho de 2013

Estamos bem

Depois de muitas idas a veterinários em busca de um tratamento eficaz, Naruto foi medicado e está passando pelo tratamento contra o fungo. Não está sendo fácil e, sim, muito estressante. Ele deixou de comer, ficou 100% apático durante vários dias e foi colocado em um cômodo separado porque estava sendo muito hostilizado pela Chloe. Aliás, está foi a principal causa da queda de imunidade dele e o problema com o fungo. Enfim, depois de uma mudança de tratamento, seu pêlo voltou a crescer (ainda, em ritmo muito lento), o ânimo voltou e ele está MUITO levado: brincando, correndo, implicando com a irmã gata e "roubando" as coisas de lugar (ele pega objetos em um cômodo e carrega para outro lugar da casa). Os dentinhos já caíram e enormes caninos já estão totalmente crescidos. Está bastante tagarela também.

Chloe, felizmente, não pegou o fungo. Ela continua não o aceitando muito bem e, vez ou outra, dispara atrás dele pela casa, atacando-o num canto ou outro. De vez em quando, temos que intervir. Outras vezes, deixo a situação correr pois acho importante o Naruto aprender a se defender. Ela também não brinca com ele e sempre se afasta se ele começa a mexer com algum brinquedinho que esteja perto dela. Já reparei que ela não suporta ser tocada/mordida por ele: é só ele começar a lambê-la (e mordê-la.. sim, porque ele NÃO CONSEGUE ficar sem dar uma mordidinha na gatupira) que no segundo seguinte eles estão atracados um no outro, em meio a mordidas e gritinhos. Mas, se ele não ficar encostando muito nela nem ficar dando lambidas, ela fica numa boa. Ele só não pode cruzar a "linha limítrofe imaginária" que a gata-preta traçou... rs. É mole?

Gato tem cada uma.... 
Olha a cara de indignada da Chloe...

Chloe: "Ai, ai, ai... esse fedegoso não vai sair de perto?"

Descansando, depois de ter entrado no "modo pirinha"

Ainda com falhas no pêlo devido ao fungo


quarta-feira, 15 de maio de 2013

Mofando? Nããããão!!!

Os dias tem se passado rápido demais e tenho sentido falta de blogar.
O blog é da gata riscada (aka Chloe) mas o Naruto tem roubado a cena nos últimos posts. Este post é mais um update para mostrar que o blog não está desativado!

A Chloe vai bem. Voltou ao normal. Está gatupirando como nunca, brincando e parou um pouco de perseguir o Naruto. Essas são boas notícias.



Já o Naruto, está super quietinho. Parou de brincar totalmente. Nada parece chamar sua atenção. Só quer ficar andando atrás da gente, mia bastante e tenta sentar no nosso colo o tempo todo. Uma mudança de comportamento e tanto. Só que para pior, eu acho.... :/

E para piorar ainda mais meu nível de preocupação, ele estava com uma falha no pêlo que, aparentemente, parecia ser dermatofitose. Levamos no veterinário, ele foi medicado e o tratamento foi indicado.
Três semanas após o início do tratamento, descobri hoje mais 4 focos de lesão no pêlo dele!!! Nem preciso dizer que estou arrasada!

Amanhã vou levá-lo ao veterinário de novo. Cruzem os dedos por ele! Espero que ele melhore logo e pare de "mofar", tadinho... (coração de gateira apertadinho, apertadinho...)

Fica bom logo, leãozinho...




terça-feira, 7 de maio de 2013

Gatinhos do Canal de Marapendi

Ter ou não ter um bichinho de estimação?

Esta pergunta já passou pela cabeça de todos os que decidiram pelo "ter" e de boa parte daqueles que continuam no processo, ou que chegaram à conclusão de que "não ter" pode ser a melhor decisão no momento. Eu sempre quis ter um gato. No início, cogitava a possibilidade de comprar um, de raça, aqueles de "capa de revista". Depois, quando comecei a ir nas feiras de adoção, percebi que há tantos bichinhos abandonados à espera de uma chance! Uma variedade enorme de pelagem, cor de olhos, porte e tamanho! Todos com seu jeitinho, sua personalidade, seu carisma próprio. Acabei me resolvendo pela adoção e vejo que foi a decisão mais acertada para mim. Sinto-me muito bem em olhar para a Chloe e o Naruto e vê-los com saúde e seguros.

Semana passada, tivemos o triste episódio da gata Linda. Ontem, outro filhote foi encontrado morto. 
Então, que tal incentivarmos a adoção? 

Aqui no Rio de Janeiro, o pessoal da associação Gatinhos do Canal de Marapendi fazem um trabalho muito bacana. São pessoas comuns, que dedicam seu tempo e recursos para cuidar e levar carinho aos gatinhos abandonados que vivem na região do canal. O Naruto era um desses gatos e ainda há muitos outros disponíveis para adoção! Portanto, se você que está lendo o blog é do Rio ou conhece alguém daqui que deseja adotar um gatinho, divulgue a página do projeto que está no Facebook. 

  • Gosta de filhotes? Eles tem!
  • Prefere adultos? Eles também tem!
  • Identifica-se mais com um macho? Eles estão lá e irão se identificar com você também!
  • Acha que uma fêmea tem mais a ver com você? Deixe-se conquistar por elas... !


Vamos ajudar estes gatinhos a encontrar lares amoroso e a mantê-los longe dos perigos da rua. 
Agora, depois dos últimos acontecimentos, mais do que nunca!!! Abaixo, uma pequena amostra das fofuras disponíveis. No álbum do Facebook tem muito mais! 

Visite! Compartilhe!






CONHEÇA E DIVULGUE O PROJETO! CLIQUE AQUI!




sexta-feira, 3 de maio de 2013

O preço do abandono

Estou há um tempo sem postar no blog. Infelizmente, retorno, hoje, triste e indignada.

Contei aqui sobre os gatinhos que moram perto da minha casa, em uma colônia que fica à beira da rua. São tratados e cuidados a partir de contribuições e do trabalho de voluntárias que, incansavelmente, os alimentam, castram, levam carinho e lutam todos os dias para conseguir-lhes lares temporários ou definitivos.  

Eu havia dito que eles não estavam largados à própria sorte. E eu estava muito enganada... 

Sistematicamente, algum irresponsável está abandonando gatos neste local. Todos os meses, novos gatos aparecem, inclusive filhotinhos. Os recursos do voluntariado não estão sendo suficientes para atender a todos. Os lares temporários estão lotados e não tem sido possível conseguir vaga para todos os gatinhos. Resultado: não tem havido outra alternativa senão deixá-los no local e anunciá-los para adoção. Foi assim que eu encontrei o Naruto. 

A estória desse encontro foi contada aqui no blog. A mamãe do Naruto havia sido batizada de Linda (nem preciso dizer porquê...). Linda foi o primeiro gato que me recepcionou no dia 23 de março, dia em que fui conhecer os filhotes e acabei voltando para casa com outro gatinho. Magrinha, devia ter uns 9 meses ainda, ronronante, dócil e com olhos azuis enormes! 




Ela estava com seus dois filhotes (o Naruto e uma gatinha tigrada) e mais quatro outros gatinhos de outra ninhada. Lembro-me de como fiquei com o coração apertado por vê-los lá, não poder ajudar todos, e tomar a decisão de salvar pelo menos uma vidinha felina, apesar de, com isso, ter que separar o filhote da mãe. Não foi fácil retirar o Naruto dela, ouvi-lo miar  angustiadamente em sua procura, poxa, não foi fácil... Mas era o que eu podia fazer naquele momento. Linda chegou a ser recolhida e conseguiu fazer a cirurgia de castração. Infelizmente, ela voltou para a rua pois não conseguiram um lar temporário para ela além do tempo de recuperação da cirurgia. Saí de lá com um pensamento: que todos conseguissem um lugarzinho numa casa quentinha, com caminha, amor e carinho. E que a pessoa que estava abandonando os gatinhos no local compreendesse que este não é o caminho a seguir...





Ontem, encontraram a Linda morta na beira da rua...



Ninguém sabe dizer ao certo o que houve. Agora, não faz diferença saber.  Será que a pessoa que está abandonando os gatinhos, ao ver uma foto dessas, acha mesmo que está fazendo bem a eles? Será que acha que está salvando-os pois "ali tem umas moças que vão tomar conta deles"? Estou muito triste. E indignada. 


Diga não ao abandono de animais! 

Incentive a adoção e a posse responsável!

Faça a diferença! Encontre alternativas!


Infelizmente, a Linda pagou o preço do abandono. Olho para o Naruto e vejo que fiz a coisa certa, que não poderia me sentir culpada em tê-lo retirado de lá. Quero muito, e vou, cuidar dele com todo o cuidado e carinho. É o que posso e o que quero fazer por ele. Vou lembrar da Linda como a conheci:

No local, onde a encontrei pela primeira vez

Linda

Com sua filhotinha, a irmãzinha do Naruto

Boazinha no veterinário, com a filhota

Olhão azul


A lembrança dela estará sempre comigo, dentro destes lindos olhinhos azuis....





quinta-feira, 18 de abril de 2013

E eu te batizo...

Sempre fui uma pessoa muito indecisa. Indecisão na hora de escolher qual faculdade cursar, que corte de cabelo usar, que roupa comprar, qual marca de carro seria a melhor para mim, se devia ir a pé ou de ônibus, se adotava mais um gatinho ou não. 

Resolvi adotar.O próximo passo foi a escolha do nome do pequetito. E, eis que surge quem? A indecisão! 
Que nome escolher? 

Alguns nomes passaram pela minha cabeça: Calvin, Simba (porque eu acho que ele tem carinha de leão) e Zaki. Não conseguia me decidir por nenhum! O gatinho também não parecia se empolgar com nenhum dos nomes pois nem olhava na minha direção quando eu o chamava por algum deles. 

Meu marido vive me dizendo que eu escolhi sozinha o nome "Chloe" para a gatupira. Por isso, dessa vez, ele queria escolher o nome do gatinho. Ele é fã de estórias de samurais, mangá e anime. Por isso, queria um nome japonês para batizá-lo. O pequetito tem um pouco dos traços do siamês moderno, também conhecido como padrão oriental (basta reparar no focinho alongado). Aqui,cabe um parênteses pois existem dois padrões de gatos siameses :

- Siamês tradicional (Thai ou "applehead", por causa do formato da cabeça): originário da Tailândia, possui a cabeça arredondada, orelhas de tamanho médio e o corpo robusto. Durante anos, foi o padrão mais difundido da raça. 
Siamês tradicional

- Siamês moderno (ou oriental): possui a cabeça alongada, em formato triangular, orelhas mais compridas e um corpo magro, esguio e elegante. Há controvérsias a respeito da qualidade de vida destes gatos , os quais podem apresentar problemas de rins e cardíaco devido a cruzamos consaguíneos para desenvolver o novo padrão da raça. 
Siamês moderno
Pois bem! Parênteses fechado!


Além disso, o gatinho é clarinho, ou seja, "loirinho", e possui lindos olhinhos azuis. Meu marido gosta muito de um personagem de mangá que possui exatamente essas características... 



Sendo assim, nós resolvemos batizá-lo de NARUTO! 

O nome é diferente e confesso que eu também estou me adaptando a ele. Espero que o gatinho, ops, o Naruto também goste do nome e se habitue a ele logo. Afinal, depois de 25 dias sendo chamado de várias coisas como brancão, ratazana branca, coisa preta e pequetito, eu já estava com medo dele desenvolver uma crise de identidade... :)

Bem vindo, Naruto! 


terça-feira, 16 de abril de 2013

O tempo de cada um

Os dias vão se passando e as coisas vão se ajeitando entre Chloe e o "gatinho".
Aliás, gostaria de agradecer todas as opiniões, dicas e ajuda que venho recebendo de pessoas que possuem mais de um gato e que já passaram pela experiência de adaptação. Muito obrigada! Adoro ler cada post e e-mail recebido! 

No último post sobre os dois, questionei se aquele "pega" era brincadeira ou briga. Até hoje, não sei dizer ao certo! (rs) Hoje, já consigo perceber que os "pegas" estão cada vez mais com cara de brincadeira. Brincadeira bruta, diga-se de passagem. 

Fato é que eles não possuem maiores problemas, como dividir a caixa de areia ou a comida. Olha a prova aí:

Chloe: "Vou aproveitar que ele não está olhando..."
Nom nom nom nom

Chloe: "Jura que, agora, vou ter que comer sempre com esse daí ?"

Nom nom nom

Gatinho: "Já sei porque ela está tão gorducha assim..."

Chloe está ensaiando umas lambielas no pequeno que não duram mais do que 5 segundos. Logo em seguinda, se transformam no mais puro jiu-jitsu felino! E, ele, parece adorá-la! Vive pulando nela, se esfregando e tentando fazer amizade. Mas Chloe é durona e não dá o braço a pata a torcer tão fácil assim.
Cada um tem seu tempo, tanto as pessoas quanto os bichinhos. 

Não sei se eles serão "unha e carne". O que sei é que estão cada vez mais próximos um do outro a cada dia. 
E ter mais um gato em casa está tornado os dias da Chloe mais interessantes. :)


segunda-feira, 15 de abril de 2013

Gatupirar

Fim de domingo foi dia de ... gatupirar no saco de papel!!!
(aproveitando o termo inventado pela May num dos posts do blog A Vida com Gatos)

Entrando no saco de papel...

Em primeiro plano

Em segundo plano
Ignorando

Cordinha de câmera é muito legal
Bigodes de arame
Modo pira entrando em ação

Judiação: dentão

Gremlin ?

Não. É só a gatinha mais linda que eu já vi!

terça-feira, 9 de abril de 2013

MMA felino

 Minha "gata riscada" sempre foi adepta das práticas de pique-esconde, captura de objetos jogados ao ar e outras atividades nas quais ela possa exercer suas habilidades felinas na mais pura essência: exercitar a caça. 
Este sempre foi um traço de personalidade marcante nela. 

Com a chegada do novo gatinho (sim, ainda não chegamos a um consenso sobre o nome aqui em casa), ela tem aproveitado para praticar... Fiz esse vídeo para ilustrar o que tem rolado aqui em casa nos últimos dias. Disse em post anterior que não sabia se era briga ou brincadeira. Acho que é briga mesmo (reparem a força  bruta que ela usa nas patas traseiras e os gritinhos do pequeno). Não reparem na tremedeira da câmera mas a Chloe é esperta e aproveita para atacar justo quando estou de costas para os dois. 
Tive que fazer a filmagem na correria. E então: briga ou brincadeira? 

video

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Chegando de mansinho...

Hoje de manhã, Chloe deu um "mata leão" no pequeno gatinho. Estava me arrumando para ir trabalhar quando ouvi o gatinho soltando uns gritinhos. Fui olhar e a Chloe estava agarrada a ele, mordendo-o na garganta com força. Tive que sair correndo e usar o spray de água para separá-los pois não queria que ela o machucasse. 
Durante o dia, ela tem mantido o bullying: fica entocaiando o gatinho debaixo dos móveis sem deixá-lo sair, tenta atacá-lo, usa a caixinha de areia dele e dá umas corridas nele pela casa. Se chegamos perto dela quando ele está presente, ela costuma nos arranhar ou morder. Paciência, tigrinha..., fica calma...

Opa... estamos tendo um progresso aqui?

Hum... pela cara da Chloe, acho que não...

Gatinho não é bobo: resolveu se afastar. É mais seguro assim.

Chloe não dá descanso! Foi lá importunar o pobrezinho!

Confesso que estou com bastante dificuldade para distinguir uma briga de uma brincadeira.





segunda-feira, 1 de abril de 2013

Podemos ser amigos?


No último sábado, fez uma semana que trouxemos o novo gatinho para casa.
Para minimizar as chances de uma aproximação traumática, deixamos o novo gato isolado da Chloe durante esse período.

É impressão minha ou estou ouvindo um miado chatééérrimo?

O gatinho está bem. Ele é muito dócil, meigo e tagarela. Nos primeiros dias, ele miava DEMAIS e acho que foi porque estava sentindo falta da mamãe gata. Tadinho, ele estava totalmente "deslocado" em casa e perdido! A Chloe é uma gata muda e confesso que tive dificuldade em me acostumar com a tagarelice do pequeninho. Eu sempre achava que ele estava com fome, frio, dor, etc.,etc., toda vez que miava. Busquei concentrar-me no fato de que era melhor tê-lo em casa, seguro e bem cuidado, do que na rua. E, assim, fui levando.

Tagarela? Eu???

Coloquei-o separado da Chloe e a adaptação foi feita através de contato visual dos gatos pelas portas de vidro da varanda e uma pequena fresta. Assim, poderiam sentir o cheiro um do outro e se verem. Nos 3 primeiros dias, a Chloe rosnava, fazia fuzzz, bateu em mim e no meu marido, mas, não desgrudava do vidro. Estava toda curiosa! Acho que ela até reagiu bem pois eu esperava uma gata muito mais estressada com esse processo. Dias depois, resolvi colocar a caixa de transporte com o pequeno no meio da sala. A Chloe veio cheirar, rosnou, deu patadinhas na caixa, depois, sentou-se bem em frente dele. Ficou lá, encarando o pobre. Na segunda vez que fizemos esta experiência, o saldo foi melhor: ela não rosnou nem bufou.

Então, resolvemos dar mais um passo na "apresentação" dos dois e aproximamos o gatinho, no nosso colo, da Chloe. Deixamos que eles se cheirassem e só. Não houve fuzzz nem rosnados. Isso nos encorajou a sermos mais ousados... decidimos colocar os dois em contato na última quinta-feira. Meu marido soltou o gatinho perto da Chloe e ela não o atacou, apenas o cheirou e ficou "rodeando" o pequeno o tempo todo. Tivemos o cuidado de manter um spray de água a postos, caso a situação saísse do controle. Fiquei bem satisfeita em ver que ela não tentou matá-lo...rs

Hoje o cenário é o seguinte: ela está "tolerando" a presença dele mas não está morrendo de amores. Ele, tadinho, é super bonzinho e quer ser amigo dela, mas ela está relutante. Eles conseguem dividir o mesmo ambiente sem se enroscarem numa briga. De vez em quando, a Chloe dá umas patadas no gatinho o que tem deixado-o com receio de se aproximar muito dela. Ela o cheira bem no focinho, sem demonstrar hostilidade, mas, com alguma frequência, fica caçando-o pela casa e encurralando-o debaixo dos móveis. Eles ainda não brincaram juntos. Tentei usar brinquedos mas só o pequetito se interessa. Ela só o observa mas não interage nas brincadeiras. Eles também não dormem próximos um do outro. Um dia, ele tentou deitar-se perto dela e ela soltou um fuzzz bem na cara dele. Pobrezinho... 

Tô arrasado... queria tanto fazer amizade com aquela gatinha!
Ela até é parecida comigo: tem listras também!

Gente, por que ela não gosta de mim? Será que sou tão aterrorizante assim? 

Conosco, a Chloe está normal. A fase mordedora passou. Seu passatempo diário agora é tomar conta do novo gatinho e segui-lo pela casa afora. Hoje de manhã, quando abri a porta do quarto, estavam os dois sentadinhos me esperando. Quando me abaixei para cumprimentá-los, ela saltou sobre ele e o imobilizou, mordendo na garganta. Não interferi e fiquei observando se aquilo seria uma brincadeira ou uma briguinha. Pela posição das orelhas dela, percebi que ela não estava de brincadeira e separei os dois com um spray de água. Fiquei triste por ele, que não revidou em nenhum instante. Chloe, por outro lado, está se revelando uma especialista na arte do bullying. 

Não sei se a aproximação foi feita rápido demais e se devo ou não retroceder o processo, deixando-o separado dela como antes. Só os deixei dividirem o mesmo espaço porque, em NENHUM momento, houve sinais de rosnados, uivos, fuzzz e mordidas matadoras por ambas as partes. Ambos exercem seus hábitos felinos normalmente, um na frente do outro, como comer, dormir e usar a caixinha de areia. 

Por outro lado, sinto que a Chloe tem passado algum tempo intimidando o gatinho. Acho que ela quer se afirmar como "gata alfa"...
Por que acho isso?
1 - Chloe está com o hábito de se sentar e ficar encarando o gatinho e observando tudo o que ele faz
2 - Ela começou a usar a caixa de areia DELE
3 - Ela começou a comer a comida do pratinho dele, e não do dela (aliás, alguém tem uma dica de como controlar as refeições, dado que eles estão comendo rações diferentes? Devo dar o mesmo tipo de ração para ambos, por exemplo, ração de filhote?)

Sei que o tempo de convivência dos dois é ainda muito pequeno! É preciso paciência e cautela. Vamos ver se, no final das contas, eles irão se tornar melhores amigos ou apenas dividirão o mesmo apartamento. rs
Gostaria de ouvir a opinião de quem já passou pelo processo de adaptar um gato novo a outro já existente na casa. Será que devo separá-los novamente?

Opa! Vou aproveitar que ela está distraída e tentar me aproximar...

... vou fingir que nem estou vendo-a e fechar meus olhinhos...

Beleza! Está dando certo!  Já consegui me aproximar mais!

Agora é manter o controle e fingir que estou dormindo...

... mas eu estou mesmo é espionando... 

Chloe: Nem pense em se aproximar!
Gatinho: ZzzzZZZzzzzz (fake)


PS1: fizemos o exame PCR no gatinho para diagnosticar possível infecção com FIV/FELV e o resultado deu negativo! Viva!
PS2: não decidimos o nome dele até hoje! O que vocês sugerem?

E aí, galera? Que nome combina comigo?